Encondroma

O encondroma é um tumor ósseo benigno (não cancerígeno) formador de cartilagem que pode ser encontrado de forma mais comum no interior de ossos longos  e nos ossos tubulares de mãos e pés.

O paciente costuma ter entre 20 e 30 anos , mas também pode acometer pessoas um pouco mais jovens e um pouco mais velhas.

O encondroma é mais comum nos ossos das mãos e pés, no fêmur e úmero.

Na grande maioria dos casos, o encondroma é assintomático, ou seja, ele está presente no interior do osso, mas não causa nenhum sintoma no paciente. Ele muitas vezes é achado em exames de imagem solicitados por outros motivos,como tendinites e artroses, e não pela presença do tumor.

Em alguns casos, o encondroma pode ser maior e mais agressivo localmente podendo causar dor local, deformidade óssea com aumento de volume local, e em alguns casos até fraturas patológicas. Estas fraturas são mais comuns nos ossos de mãos e pés.

Na maioria dos casos, o encondroma é apenas um achado de exames de imagem e não provoca sintomas. Nestes casos, não há indicação de intervenção cirúrgica, mas apenas acompanhamento clínico e com exames de imagem. A grande maioria dos encondromas não cresce depois de diagnosticado.Nos pacientes em que o tumor causa dor, fraturas ou em que há sinais de agressividade  e crescimento local, o tratamento deverá ser cirúrgico.

PerguntasFrequentes

Qual a causa do Encondroma?

A causa do encondroma não é clara. Possivelmente existe uma alteração genética que causa a diferenciação de células em cartilagem ao invés de formarem tecido ósseo. 

Não existe associação deste tumor com trauma local, herança familiar, uso de medicamentos, irradiação ou outros fatores.

Em alguns casos, este tipo de tumor pode estar associado à síndromes genéticas. A síndrome de Ollier se refere ao quadro de múltiplos encondromas que normalmente estão localizados nos membros inferiores, e em muitos casos, do mesmo lado. A síndrome de Maffucci se refere ao quadro de múltiplos encondromas  associados à hemangiomas cutâneos. Estas síndromes, além de serem caracterizadas pela presença de múltiplos tumores, podem aumentar a chance de malignização para condrossarcomas, e por isso devem ser acompanhadas mais de perto.

Como é feito o diagnóstico do Encondroma?

O diagnóstico do encondroma é feito na maior partes das vezes apenas por exames de imagem. 

É importante ressaltar que a biópsia é pouco útil no diagnóstico deste tipo de tumor, e muitas vezes o tratamento deve ser feito baseado no quadro clínico e nos exames de imagem.

A radiografia costuma ser bem característica, com lesões calcificadas no interior dos ossos tubulares.

Em casos em que não existe muita calcificação, a ressonância magnética pode ajudar na definição de sua matriz cartilaginosa que é característica.

Existem situações em que é difícil a diferenciação do encondroma com condrossarcoma de baixo grau (um tipo de câncer pouco agressivo) pelos exames de imagem  e a biópsia também não se mostra muito efetiva nesta diferenciação. Alguns sinais que podem ajudar na diferenciação entre encondroma e condrossarcoma na radiografias simples são a erosão da cortical óssea, a irregularidade das calcificações, a extensão da lesão, o aumento de volume ósseo e a invasão de partes moles.

Nos casos de síndrome de Ollier e Maffucci, as manifestações clínicas são mais exuberantes. Existe deformidade óssea evidente, baixa estatura e dor óssea que pode ser um sinal de malignização para condrossarcoma. No quadro da síndrome de Maffucci, existe a presença de hemangiomas cutâneos.

Como é o tratamento do Encondroma?

Tratamento não cirúrgico

Na maioria dos casos, o encondroma é apenas um achado de exames de imagem e não provoca sintomas. Nestes casos, não há indicação de intervenção cirúrgica, mas apenas acompanhamento clínico e com exames de imagem. A grande maioria dos encondromas não cresce depois de diagnosticado.

 

Tratamento cirúrgico

Nos pacientes em que o tumor causa dor, fraturas ou em que há sinais de agressividade  e crescimento local, o tratamento deverá ser cirúrgico.

A cirurgia consiste em uma curetagem do tumor  e no preenchimento de sua cavidade com algum tipo de substituto ósseo  que pode ser:

  • autoenxerto: osso do próprio paciente que pode ser retirado de locais como ilíaco. Este é o melhor enxerto para formação de osso, mas tem o inconveniente de ser retirado de um local que pode causar dor.
  • aloenxerto: osso proveniente de banco de tecidos, originado de doadores de tecidos
  • biocerâmicas: substitutos sintéticos que auxiliam na formação de osso novo, sem a necessidade de retirada de enxerto do paciente
  • vidro bioativo: outro substituto sintético que auxilia na neoformação óssea e que também têm a capacidade de combater infecções.
  • cimento ortopédico: este substituto pode ser utilizado nos casos mais agressivos. Tem a vantagem de fornecer estabilidade mecânica imediata, mas não é uma reconstrução biológica, ou seja, não permite a formação de osso novo no local operado.

Em alguns casos, pode ser associado o uso de placas e parafusos para melhorar a estabilidade do osso e prevenir fraturas.

 

Fraturas

Nos casos em que há fratura patológica dos ossos das mãos e pés, normalmente é feito o tratamento conservador da fratura e o tratamento do encondroma é feito cerca de 3 meses após , quando a fratura já está consolidada.

 

Malignização para condrossarcoma

Nos casos de síndrome de Maffucci ou Ollier, em que há sinais de malignização do encondroma, a ressecção ampla do tumor deve ser realizada, e na maioria dos casos a reconstrução deve ser feita com endopróteses.

O Encondroma tem cura?

Sim. O prognóstico do paciente com encondroma costuma ser excelente. Existem alguns casos mais complexos em que há grande volume do tumor ou fraturas patológicas que devem ser tratados com maior cuidado. Nas síndromes de Ollier e Maffucci, o cuidado deve ser maior, principalmente pelo grande risco de malignização. Nestes casos deve ser feito um acompanhamento e planejamento minucioso para que a cirurgia tenha o melhor resultado possível.

Dr. Daniel Rebolledo

  • Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)
  • Membro da Sociedade Internacional de Salvamento de Membro (ISOLS)
  • Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP)
  • Médico Consultor do Grupo de Oncologia Ortopédica do Hospital Mário Covas da Faculdade de Medicina do ABC
  • Membro da Associação Brasileira de Oncologia Ortopédica (ABOO)
SAIBA MAIS
Dr. Daniel

Agende Sua Consulta

Para agendar sua consulta clique no link e siga as instruções. Ou, se preferir, Entre em contato por telefone em uma das unidades mais próximas a você em São Paulo ou Santo André.

São Paulo:

DWO Médicos Associados | Rua Haddock Lobo, 131, cj 1509 Cerqueira César, São Paulo / SP | (11) 4750-2209

 Whatsapp: (11) 93387.0542

Santo André:

Instituto Prata de Ortopedia | Rua das Paineiras, 161 Bairro Jardim – Santo André / SP | (11) 2677-5711 | (11) 97433.8167

últimas do blog

Copyright © Todos os direitos Reservados. | Dr. Daniel Rebolledo - Médico CRM-SP 12 3456

Criação de sites: Agência 3xceler - Criação de sites
LIGAR

Olá!

Gostaria de receber uma ligação?

NÓS TE LIGAMOS
Informe seu telefone que entraremos em contato o mais rápido possível.
Gostaria de agendar e receber uma chamada em outro horário?
Deixe sua mensagem! Entraremos em contato o mais rápido possível.
Ícone do Whatsapp branco em fundo verde