Fratura de fêmur em idosos

Tempo de leitura: 10 minutos

A fratura de fêmur em idosos é uma condição grave. Antigamente, inclusive a fratura do fêmur na região do quadril era considerada uma sentença de morte. Você sabe por quê? Explico a seguir.

A fratura de fêmur tem um significado especial no idoso pois nenhuma fratura aumenta o risco de morte no idoso como uma fratura do fêmur, principalmente na região do quadril. Um a cada 4 idosos em média, morrem dentro de 1 ano após uma fratura de fêmur. Por que isto acontece?

A população brasileira que era composta principalmente por jovens, está envelhecendo.Por isso, a tendência deste tipo de fratura é aumentar.

Quase 90% das fraturas de fêmur na região do quadril ocorrem em pacientes acima de 65 de idade. Isto está muito relacionado à perda de qualidade óssea causada pela osteoporose, e à perda de força, equilíbrio e coordenação que acontecem no envelhecimento. Isto provoca quedas e fraturas do quadril.

O risco de morte é especialmente alto nos primeiros 3 meses após a cirurgia sendo 5x maior na mulher e 8x maior no homem  quando comparado com a população normal. Este risco diminui ao longo do tempo, mas nunca volta ao normal.

As causas de morte mais comum são pneumonia e outros problemas respiratórios, infecção (sepse), problemas cardíacos, ou seja, o paciente não morre da fratura propriamente dita, mas sim de todas as complicações clínicas que acontecem decorrentes dela.

Fratura de femur em idosos 1
Fratura de femur em idosos é uma situação de urgência

 

Quais os fatores de risco para a fratura de fêmur em idosos ?

 

  • Idade : quanto maior a idade , maior o risco.
  • Osteoporose: diminui resistência dos ossos.
  • Desordens neurológicas: facilitam o risco de queda.
  • Fraturas prévias: quem já fraturou outros ossos têm risco maior de nova fratura.
Fratura de femur
Fratura de femur em idosos

 

Queda em idosos. Como prevenir?

 

O maior motivo de fratura de fêmur em idosos são as quedas. Ao mesmo tempo, a osteoporose leva a uma fragilidade óssea e maior risco de fraturas em quedas simples. Para prevenir as quedas e as fraturas em idosos, algumas medidas são de extrema importância.

  • Exercícios regulares de fortalecimento e equilíbrio.
  • Retirada de tapetes de casa.
  • Colocação de barras laterais no box do banheiro e perto do vaso sanitário.
  • Colocação de tapetes antiderrapantes no banheiro.
  • Iluminação adequada de todos os ambientes da casa.
  • Acompanhamento médico com geriatra.
  • Evitar medicamentos que causem tontura , sonolência
  • Uso de óculos quando indicado.
  • Uso de móveis que suportem peso se necessário (fixar na parede se necessário).
  • Hidratação e alimentação equilibradas.
  • Tratamento de osteoporose.
  • Uso de apoio de muletas ou bengalas quando necessário.
  • Manter motivação para atividades diárias mesmo após uma queda.
Fratura de femur após queda
Quedas são a maior causa de fratura de fêmur em idosos

 

O que mais pode ser feito para aumentar as chances de sucesso da cirurgia?

 

Pacientes jovens com fraturas de fêmur podem ser tratados apenas pelo ortopedista com ótimos resultados. Já nos pacientes idosos, é muito importante a avaliação  do especialista em quadril em conjunto com médicos clínicos, geriatras e outros especialistas quando necessário, que irão avaliar e tentar compensar todas as doenças clínicas que podem piorar a evolução da cirurgia e do paciente.

Hospitais com boa estrutura também são fundamentais para um bom resultado final já que todos os passos da cirurgia, reabilitação, assistência  em UTI e enfermaria, cuidados de enfermagem e acompanhamento serão feitos seguindo protocolos de qualidade que são fundamentais nesse momento de cuidados críticos com o paciente. 

Movimentação precoce após a cirurgia , com fisioterapia diária é fundamental para melhorar o resultado.

Nutrição adequada antes e após a cirurgia melhoram a força , imunidade e capacidade de reabilitação.

Cada pequeno passo na assistência do paciente que é feito com excelência, contribui para um bom resultado final.

 

Fratura de fêmur em idoso. Qual o tratamento?

 

A grande maioria dos pacientes idosos com fraturas de fêmur têm que ser tratados cirurgicamente. Pouquíssimos casos em que a fratura é incompleta, ou fora de áreas de carga, ou naqueles pacientes que já estão numa condição clínica muito grave não terão indicação de cirurgia.

A cirurgia terá os objetivos de:

  • Controle de dor.
  • Estabilização da fratura ou substituição por uma prótese.
  • Movimentação precoce.
  • Redução de complicações clínicas
  • Tentativa de retorno às atividades diárias o mais rápido possível 
  • Aumento da sobrevida do paciente.

Como vimos, a cirurgia terá vários benefícios para o paciente e se feita corretamente, poderá diminuir muito ou resolver todas as complicações decorrentes da fratura.

Fratura de femur parafusos e protese
Parafusos e próteses são opções no tratamento das fraturas de fêmur em idosos.

Fratura de fêmur em idosos. Quando operar?

 

A fratura de fêmur em idosos é considerada uma urgência. O atraso de mais de 2 dias entre o dia da fratura e a cirurgia aumenta a mortalidade. Portanto, quanto antes é feita a cirurgia , maiores as chances do paciente sobreviver ao procedimento.

É importante então tentar compensar clinicamente o paciente o mais rápido possível e realizar a cirurgia no mesmo dia , ou no dia seguinte da fratura. Caso a cirurgia demore mais de 4 dias para ser realizada, as chances de morte do paciente aumentam mais de 7 vezes.

 

Quais os tipos de fraturas do fêmur?

 

As fraturas do fêmur podem ocorrer na região do quadril, na região da coxa ou próximo ao joelho. Lembro que as fraturas na região do quadril são as mais comuns nos idosos já que esta área é especialmente frágil em pacientes idosos com osteoporose que podem fraturar o fêmur com uma simples queda.

 

A fratura transtrocanteriana é comum em pacientes idosos com
A fratura transtrocanteriana é comum em pacientes idosos com osteoporose

 

O local da fratura influência na mortalidade?

 

Estudos indicam que não. Independente se a fratura de fêmur em idoso ocorre na região do quadril, ou na região do fêmur distal, próximo ao joelho, os riscos de morte são semelhantes.

 

Qual o tipo de  cirurgia  realizada nos casos de fratura de fêmur em idosos?

 

O tipo de cirurgia depende do local e tipo de fratura. De qualquer maneira, algumas das opções cirúrgicas mais comuns são:

  • Artroplastia do quadril (prótese de quadril): cirurgia na qual a cabeça do fêmur é removida e substituída por uma prótese. Esta prótese de quadril pode ser total com implantes no fêmur e acetábulo ou parcial no qual o implante é colocado apenas no fêmur.

A prótese total normalmente é feita em pacientes com artrose prévia no quadril ou naqueles pacientes que são muito ativos. Já as próteses parciais são feitas naqueles pacientes com baixa demanda.

  • Haste intramedular bloqueada: cirurgia na qual a fratura é colocada na melhor posição possível(redução) e essa haste é colocada por dentro do fêmur por meio de pequenos cortes na coxa.
  • Placas : existem alguns modelos mais comuns chamados de DHS ou DCS e variações destes tipos 
  • Parafusos: este método só pode ser utilizado nos casos em que a fratura do colo do fêmur é incompleta ou sem desvio.
Fratura de femur em idosos 6
Hastes bloqueadas são boas opções para p tratamento de fraturas transtrocanterianas

 

Fratura de fêmur. Quais as principais complicações?

 

Como falei anteriormente, a fratura de fêmur é uma condição grave não apenas pela fratura, mas pelas complicações clínicas que podem acontecer. Dentre as principais, podemos citar:

  • Delirium (confusão mental, desatenção, sonolência do paciente no hospital)
  • Complicações pulmonares (atelectasia, pneumonia, derrame pleural).
  • Insuficiência renal.
  • Infecção (local da cirurgia, vias urinárias, trato respiratório e outros).
  • Trombose venosa profunda e embolia pulmonar (obstrução de veias por coágulos que podem migrar para o pulmão) 
  • Obstipação intestinal.
  • Perda de função do membro.
  • Diminuição de atividades.
  • Morte.

Outro fato interessante é que idosos que moram em asilos e casas de repouso têm o dobro de chances de morrer do que um idoso com fratura de fêmur que mora na comunidade.

A mortalidade na mesma internação da fratura é de cerca de 3%.

 

Reabilitação precoce 

 

Este é um passo fundamental para o sucesso da cirurgia . 

Não adianta realizar uma cirurgia e orientar o paciente a ficar deitado de repouso . As complicações decorrem justamente da imobilidade do paciente.

Desta forma, é fundamental realizar uma cirurgia que alivie a dor e permita a rápida movimentação e marcha do paciente. Se existe uma orientação de ficar em repouso , algo está errado .

Independente do tipo de fratura , a cirurgia deve permitir que o paciente movimente rapidamente o membro , que ele possa sentar em uma cadeira , poltrona , mudar de posição e na maioria dos casos , andar no próprio hospital . 

O fisioterapeuta é um profissional fundamental nesse passo . Segundo as orientações médicas , ele irá auxiliar o paciente na reabilitação dentro e fora do hospital .

A cirurgia bem feita e suporte no hospital  são metade do caminho para o sucesso do tratamento . A reabilitação adequada é a outra metade .

Fratura de femur em idosos 7
O principal objetivo da cirurgia no fêmur é permitir reabilitação precoce

 

Conclusão

 

Como conclusão, temos que a fratura de fêmur em idosos é um evento de grande importância em idosos, aumentando a chance de complicações clínicas e diminuindo a sobrevida do paciente.

Para diminuir os danos e os riscos ao paciente idoso, é fundamental o rápido atendimento  em centro de referência com equipe multidisciplinar especializada.

Gostou do Post?  Faça seus comentários abaixo.

Compartilhe no Whatsapp e nas redes sociais!

Veja também o vídeo abaixo!

 

 

Referências

 

https://medicalxpress.com/news/2018-06-hip-fractures-elderly-death-sentence.html

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC3597289/

Zuckerman JD, Skovron ML, Koval KJ, Aharonoff G, Frankel VH. Postoperative complications and mortality associated with operative delay in older patients who have a fracture of the hip. J Bone Joint Surg Am. 1995;77(10):1551-1556. doi:10.2106/00004623-199510000-00010

Comentários do Facebook

O Dr. Daniel é Oncologista Ortopédico  e Especialista em Cirurgia do Quadril, tendo grande reconhecimento nessa área pelo Brasil e mundo afora. Hoje ele é credenciado e realiza cirurgias em Hospitais famosos como: Albert Einstein, Hospital Sírio-Libanes, Oswaldo Cruz e Hospital Santa Catarina, sendo referência no tratamento de problemas oncológicos ortopédicos e também como Especialista em cirurgia do quadril.

Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)
Membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Ortopédica
Membro da Sociedade Internacional de Salvamento de Membro (ISOLS)
Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP)
Médico Consultor do Grupo de Oncologia Ortopédica do Hospital Mário Covas da Faculdade de Medicina do ABC
Membro da diretoria da Associação Brasileira de Oncologia Ortopédica