Displasia do quadril em adultos

A displasia do quadril é uma doença na qual existe uma má- formação na articulação do quadril.

Normalmente , a cabeça do fêmur se encaixa na bacia ,na região conhecida como acetábulo. Num quadril bem formado, as forças são distribuídas de forma equivalente por toda articulação.  Caso o acetábulo seja muito raso, a cabeça do fêmur não se encaixa de forma correta, podendo levar a um pequeno deslocamento e concentração de carga em uma pequena área da cabeça femoral. Isto leva a dor  e a um desgaste precoce da articulação.

Em alguns casos, esta alteração é detectada na infância  e poderá ser tratada , porém, existe uma parcela grande de pacientes em que esta alteração é só será detectada na idade adulta. Alguns pacientes sabem que têm displasia do quadril desde a infância , mas uma parcela grande de pacientes só vai descobrir o problema na fase adulta.

Isto é importante  pois o desgaste da articulação se desenvolve de maneira silenciosa e o diagnóstico pode ser feito de forma tardia, quando não será mais possível salvar a articulação. Estima-se que cerca de 10% dos pacientes submetidos à cirurgia de prótese de quadril, são submetidos à cirurgia por conta de displasia do quadril.

Numa articulação bem formada, a cartilagem deve durar a vida toda. Num quadril com displasia , há um desgaste precoce da cartilagem e da articulação, levando à dor e rigidez articular.

PerguntasFrequentes

Qual a causa de displasia do quadril?

A causa exata da displasia é desconhecida, mas está relacionada com a frouxidão ligamentar da articulação na infância e adolescência. Isto leva a uma subluxação da cabeça femoral no acetábulo. Quando a cabeça femoral não está na posição correta , dentro do acetábulo, não há estímulo adequado para a formação da articulação que fica com uma falta de cobertura acetabular.

A displasia do quadril não é uma patologia aguda e rápida. Ela se desenvolve lentamente ao longo do tempo.

Fatores que estão associados com displasia do quadril são:

  • História familiar
  • Sexo feminino
  • Quadril esquerdo (associado ao posicionamento do feto no útero)
  • Primogênitos

É possível prevenir a displasia do quadril?

Sim.  O melhor momento para prevenir a displasia do quadril é durante a infância, quando o quadril ainda está em desenvolvimento, e tem possibilidade de ser remodelado. Por isso é importante a avaliação do quadril de todo o recém- nascido.

É comum a displasia de desenvolvimento do quadril?

A displasia do quadril é a principal causa de osteoartrose em mulheres jovens, sendo 4 a 5 vezes mais comum do que nos homens. Não há números exatos, mas estima-se que cerca de 10% de todas as artroplastias são feitas em pacientes com displasia do quadril.

Quais são os sintomas de displasia no quadril?

Quando o paciente não fez o diagnóstico na infância, ele só vai descobrir na adolescência ou idade adulta. Neste caso, ele pode apresentar o sintomas de dor na região da virilha ou coxa, estralidos, sensação de rigidez e por fim, pode apresentar uma marcha claudicante (“marcha manca”). Além disso,o paciente pode sentir dificuldade de cruzar as pernas e ter a sensação de que o membro acometido é menor do que o membro contralateral.

Não é incomum a presença de displasia nos dois lados. Por isso os dois quadris devem ser avaliados em um paciente com diagnóstico unilateral.

Inicialmente a dor pode iniciar em atividades de alto impacto, como corridas ou saltos, mas depois pode estar presente nas atividades do trabalho , ou em pequenas atividades do dia a dia como sentar e levantar.

Como é feito o diagnóstico da displasia de quadril?

O diagnóstico precoce logo após o nascimento é o principal fator para sucesso o tratamento. Por isso é importante a avaliação  e testes no recém- nascido.

Quando o paciente inicia um quadro de dor no quadril na adolescência, ou fase adulta, ele deve ser avaliado e examinado em consulta. Pode haver rigidez da articulação, marcha claudicante e encurtamento relativo do membro.

Radiografias simples e Ressonância Magnética devem ser solicitados  para verificar o alinhamento acetabular e lesões associadas da cartilagem e labrum acetabular.

 

Como é feito o tratamento da displasia de quadril?

O tratamento depende da idade e do grau de deformidade do paciente.

De forma geral, os pacientes com displasia de quadril provavelmente vão necessitar de cirurgia em algum momento da vida.

 

Crianças

Quando o diagnóstico é feito na infância, ainda existe tempo para corrigir ou melhorar  a formação do quadril. Neste caso podem ser utilizadas alguns dispositivos que vão melhorar o posicionamento e a formação da articulação. Em casos mais graves , a cirurgia pode ser necessária mesmo na infância.

 

Adultos

Quando o paciente já se encontra na fase adulta, não existe mais a possibilidade de remodelamento para a articulação do quadril. Neste caso, o tratamento vai depender da idade, do grau de deformidade do acetábulo, da qualidade da cartilagem articular, e da presença de lesões associadas.

 

Tratamento conservador

Existe pouco espaço para o tratamento conservador, sem cirurgia, mas ele pode ser realizado nos casos leve e iniciais. Neste casos seria um tratamento apenas paliativo e sintomático , com uso de muleta ou bengala, mudança de atividades, diminuição de peso, uso de   analgésicos e fisioterapia.

 

Tratamento cirúrgico

O objetivo do tratamento cirúrgica é restaurar a anatomia adequada da articulação do quadril, e desta forma, tratar a dor e melhorar a função do paciente.

Podemos dividir os procedimentos em preservadores da articulação do quadril, e aqueles em que há substituição da articulação.

 

Osteotomia

Quando o paciente ainda é jovem e tem boa cartilagem articular, pode ser feita a cirurgia de osteotomia.

Neste casos, são feitos cortes ósseos ao redor do acetábulo para corrigir o posicionamento desta estrutura e melhorar a anatomia da articulação. Esses cortes são fixados com alguns parafusos.

Este procedimento é chamado de osteotomia periacetabular e pode resolver o problema de dor da articulação e aumentar a duração da mesma antes que seja necessária a realização de uma prótese. Esta osteotomia é classicamente conhecida como osteotomia periacetabular de Ganz, que foi seu inventor. Em casos mais raros, pode ser necessária osteotomia do fêmur associada.

 

Artroscopia

Este procedimento é minimamente invasivo, e pode ser realizado para displasias de menor grau, ou associado à osteotomias. Neste caso, podem ser tratadas lesões do labrum acetabular, do ligamento redondo e pequenas lesões de cartilagem.

 

Artroplastia total do quadril

A cirurgia de artroplastia total do quadril, ou prótese de quadril é realizada quando não há mais possibilidade de preservar a articulação, e o paciente está com dor e limitação importantes. Normalmente esta cirurgia é realizada em pacientes acima de 40 anos, mas pode ser necessária sua realização antes desta idade.

Neste caso, é feita a retirada da articulação e ossos doentes e é feita a implantação de uma prótese metálica  que vai substituir a articulação antiga. Apesar da cirurgia de artroplastia ser mais complexa no paciente displásico, os resultados costumam ser excelentes no controle da dor e no retorno às atividades diárias,porém existem alguns riscos e complicações. Além disso, a prótese não dura para sempre, e deverá ser trocada  entre 10 e 20 anos da primeira cirurgia.

Dr. Daniel Rebolledo

  • Membro da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia (SBOT)
  • Membro da Sociedade Internacional de Salvamento de Membro (ISOLS)
  • Médico Assistente do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (ICESP)
  • Médico Consultor do Grupo de Oncologia Ortopédica do Hospital Mário Covas da Faculdade de Medicina do ABC
  • Membro da Associação Brasileira de Oncologia Ortopédica (ABOO)
SAIBA MAIS
Dr. Daniel

Agende Sua Consulta

Para agendar sua consulta clique no link e siga as instruções. Ou, se preferir, Entre em contato por telefone em uma das unidades mais próximas a você em São Paulo ou Santo André.

São Paulo:

DWO Médicos Associados | Rua Haddock Lobo, 131, cj 1509 Cerqueira César, São Paulo / SP | (11) 4750-2209

 Whatsapp: (11) 93387.0542

Santo André:

Instituto Prata de Ortopedia | Rua das Paineiras, 161 Bairro Jardim – Santo André / SP | (11) 2677-5711 | (11) 97433.8167

últimas do blog

Copyright © Todos os direitos Reservados. | Dr. Daniel Rebolledo - Médico CRM-SP 12 3456

Criação de sites: Agência 3xceler - Criação de sites
LIGAR

Olá!

Gostaria de receber uma ligação?

NÓS TE LIGAMOS
Informe seu telefone que entraremos em contato o mais rápido possível.
Gostaria de agendar e receber uma chamada em outro horário?
Deixe sua mensagem! Entraremos em contato o mais rápido possível.
Ícone do Whatsapp branco em fundo verde